12/03/2018 - 10:10

Mulher é esfaqueada pelo ex-companheiro enquanto trabalhava

O local onde aconteceu o ataque ficou ensanguentado

Autor: Thauana Cavalcante

Um dia após as comemorações do 8 de março, mais uma mulher foi vítima de violência na capital. Maria de Nazaré de Sousa Pereira, 48 anos, foi esfaqueada pelo ex-companheiro, enquanto entregava panfletos no cruzamento das avenidas Pires de Castro e Frei Serafim. O caso aconteceu na manhã de ontem (9). A mulher contou com a ajuda da delegada Vilma Alves e de populares que estavam no local.

Segundo testemunhas, o agressor identificado como Raimundo Alves dos Santos, 28 anos, chegou ao local e foi logo desferindo as facadas na mulher. “Ela estava entregando panfleto e ele chegou e começou a esfaqueá-la. Quando o pessoal aqui de perto viu, começou a gritar para que ele parasse. Alguns homens pegaram ele, deixaram de costas com as mãos para trás e começaram a bater nele”, diz uma testemunha que não quis se identificar.

No local, próximo ao Banco do Brasil da Frei Serafim, ficou várias marcas de sangue, um par de sandália e um chapéu, que era usado pela mulher durante o trabalho de panfletagem.

Maria do Nazaré de Sousa foi levada para o Hospital de Urgência de Teresina (HUT), sendo acompanhada pela delegada Vilma. “Eu cheguei bem na hora e vi o que aconteceu. Ela quando me viu gritou pedindo minha ajuda. Evitamos um feminicídio”, diz Vilma.

Segundo a delegada, o rapaz já tinha tentando matar a mulher outras vezes. “Ele batia nela e tentou incendiar a casa onde ela mora”. O agressor foi levado à Central de Flagrantes de Gênero e vai responder por tentativa de homicídio.

Conforme informou a assessoria do HUT, a mulher, assim que chegou, foi estabilizada e passou por uma série de exames. Estes identificaram que não houve nenhuma lesão de órgão importante, mas as duas mãos foram bastante machucadas, apresentando lesão de nervo e osso. “Agora ela deve passar por uma cirurgia e está sendo avaliada pela equipe médica”, informou o hospital.

Feminicídio

O Piauí ocupa a sétima posição no país em número de feminicídios. O Estado registrou 23 feminicídios no ano passado e está em sétimo lugar no ranking ao lado dos estados de Santa Catarina, Maranhão e Rio Grande do Sul, que também tiveram uma taxa de 1,4 assassinatos para cada 100 mil mulheres.

No Piauí, os casos que obtiveram mais repercussão e chocaram a sociedade foram as mortes das jovens Iarla Lima, em junho do ano passado, e Camilla Abreu, no mês de outubro. As duas foram assassinadas pelos namorados que também são militares.

O feminicídio é o assassinato de uma mulher pela condição de ser mulher, motivado geralmente por ódio ou desprezo. A Lei do Feminicídio (13.104 de 2015) foi sancionada há três anos no Brasil.


Fonte: Jornal Diário do Povo