13/03/2018 - 10:54

Banheiro unissex abre espaço para discussões sobre diversidade de gênero

O DCE fará uma roda de debates sobre o assunto

Autor: Mariana Viana

O banheiro unissex posto em funcionamento no Centro de Ciência e Educação (CCE) da Universidade Federal do Piauí abriu espaço para debates e opiniões sobre violência e diversidade de gênero. Para discutir sobre o assunto, o Diretório Central dos Estudantes irá realizar na próxima semana rodas de debate no CCE e no Centro de Tecnologia da instituição.
Marília Nogueira, diretor do DCE, explica que o debate é necessário, pois há estudantes que acreditam que o banheiro irá aumentar os casos de assédio. “É importante que se diga é que os assédios não são causados por placas, e sim pelo comportamento das pessoas. Existir ou não casos de assédio é uma questão de educação e respeito”, diz.

Ela comenta ainda sobre o aspecto da inclusão que o banheiro proporciona. “O banheiro unissex promove a inclusão e o bem-estar daquelas pessoas que não se sentiam à vontade em usar um banheiro masculino ou feminino”, explica Marília.

Em funcionamento desde a semana passada, além das pessoas trans, o banheiro é aberto para a comunidade em geral. De acordo com Luís Carlos Sales, diretor do Centro de Ciência e Educação (CCE), além das questões de gênero, o lavabo visa atender às pessoas de forma emergencial e que a iniciativa partiu do CCE. Ou seja, ainda não há propostas de que outros banheiros para ambos os sexos sejam abertos na universidade.

Para a auxiliar de serviços gerais Larissa Alves Ferreira, a ideia causa estranhamento e não tem certeza se será seguro para todos. “É um lugar onde as pessoas ficam sem roupa e não dá para confiar em todo mundo. Então, prefiro usar um banheiro apenas para mulheres”, comenta.

Já para Jéssica Dias, estudante, a iniciativa é uma oportunidade de a população discutir sobre o que é viver em sociedade. “Se eu não respeito meu colega como ser humano, não vai ser um tipo de banheiro exclusivo que fará a diferença. Um bom exemplo do que estou dizendo é que os banheiros específicos foram usados até hoje e os casos de violência existem, e em grande quantidade”, comenta.


Fonte: Jornal Diário do Povo