09/02/2018 - 09:12

Divergências entre partidos pressionam Wellington a fechar a chapa governista

Marcelo Castro defende que o PT fique apenas com a vaga de Wellington Dias

Autor: Luciano Coelho

eixada pelo presidente do Progressistas, senador Ciro Nogueira, que queria que fossem estabelecidos critérios para a indicação do candidato a vice na chapa governista. Ele quer que seja feita consulta popular para determinar quem fica como vice de Wellington Dias. Na reunião de ontem, entre Wellington e o presidente estadual do MDB, deputado federal Marcelo Castro, ele concordou com os critérios para compor a chapa majoritária.

Para Marcelo Castro, os partidos com maior densidade eleitoral devem ficar com as vagas majoritárias. No entanto, ele considera que cada partido deve ficar apenas com uma vaga, e nenhuma agremiação teria duas indicações. Ele concorda que tem mais partido do que vaga disponível.

“Eu acho que não seria lógico que um partido só ocupar duas vagas das quatro vagas, quando tem mais de dez partidos querendo as mesmas vagas. O razoável é que cada partido ocupe uma vaga só. O PT ocuparia a vaga de governador. O Progressistas ficaria com a do senador Ciro. O MDB reivindica a vaga de vice. E o coletivo vai decidir pelo conjunto”, sugeriu o deputado.

O presidente dos Progressistas no Piauí, deputado estadual Júlio Arcoverde, afirmou que o partido está tendo que segurar uma manifestação de mais de 80 prefeitos que defendem a permanência do nome da vice-governadora Margarete Coelho na chapa.

“Não queremos pressionar o governador. Queremos uma conversa franca para dizermos alguma coisa para os prefeitos no interior. Todos querem saber qual a participação do Progressistas na chapa. Temos tido calma e estamos conversando com o governador para mantermos Margarete na chapa. Mas o governador é que é o maestro e não cabe aos partidos da base enfiar a faca no pescoço do governador”, assinalou Júlio Arcoverde.


Fonte: Jornal Diário do Povo