versão para impressão

Matéria publicada: 14/03/2018 - 09:00

Oposição quer inscrição do Piauí no CAUC por não prestar contas

Prazo final foi 28 de fevereiro para a primeira parcela do empréstimo

Autor: Luciano Coelho

Os deputados de oposição estão cobrando a inscrição do Governo do Piauí no Cadastro de Inadimplência (CAUC) para convênios e empréstimos, por não prestar contas da primeira parcela do convênio com a Caixa Econômica no período regular, que seria até o dia 28 de fevereiro. "O Governo está desesperado para manter o Estado adimplente para garantir a liberação dos empréstimos", assinalou o deputado Rubem Martins.

Os deputados confirmaram que os órgãos de controle estão fiscalizando as ações do Governo em silêncio, mas constataram que houve um crime praticado contra a economia do estado por uma manobra fiscal e contábil da Secretaria de Fazenda.

“Esses órgãos foram acionado e estão trabalhando diante deste crime praticado por uma organização criminosa. Eles não estão omissos”, declarou Robert Rios, na tribuna da Assembleia Legislativa.

Segundo o líder do Governo na Assembleia, deputado João de Deus Sousa, o Governo vai prestar contas e pediu os documentos que foram enviados à Caixa Econômica de volta, apenas para reapresentá-los no formato exigido pela Caixa.

“Aqui parece que estão todos desesperados e não querem que saia o empréstimo. Tem que ter paciência e não foi feito nada de criminoso. O governo está no terceiro mandato e não faria uma coisa tão grotesca. Seria muito amadorismo fazer improviso e brincar de fazer prestação de contas”, acrescentou João de Deus.

“Nesse governo, Wellington Dias está fazendo as coisas às avessas. O Governo diz que a Caixa devolveu a prestação de contas pelo formato. Na verdade, o governo pediu a devolução da prestação de contas, porque existem inconsistências e irregularidades. Uma fraude gritante que os auditores do Tribunal de Contas sinalizaram. Não houve mudança de formato”, acrescentou Rubem Martins.

“Não somos contra o empréstimo, mas contra os desvios e as falcatruas e a compra de consciência de políticos para votar a favor da reeleição”, finalizou o parlamentar. 


Fonte: Jornal Diário do Povo