19/05/2017 - 09:51

Entidades populares organizam Fora Temer e pedem Diretas Já!

Dia 24 terá manifestação em Brasília.

Autor: Manuel José e Luciano Coelho

Várias entidades sociais, que evitam envolvimento político, estão organizando movimentos em Teresina contra o Governo Temer e pedindo a realização de Eleições Diretas Já. Houve uma manifestação popular ontem e outra está sendo organizada para o dia 21.

Foto/Gabriel Torres 

Os movimentos populares foram organizados pelas redes sociais. Os organizadores alegam que não tem condições de realizar eleição indireta, porque todo o Congresso Nacional está comprometido e não tem respaldo popular.

Entidades, como a Frente Brasil Popular, Frente Povo Sem Medo e Fórum das Centrais Sindicais, fizeram a organização. O movimento se concentrou ontem no cruzamento da avenida Frei Serafim com a rua Coelho de Resende.

O ato recebeu o nome de “Diretas já! A volta dos caras pintadas”. O ambientalista Dionísio Carvalho Neto, um dos coordenadores do movimento, disse que a mobilização foi feita pelas redes sociais convocando a população para participar da manifestação.  Ele destacou que o ato não é ligado a nenhum partido político.

“É um movimento sem partidos, de iniciativa popular. A volta dos cara pintadas. O país está em choque e queremos colocar fora os corruptos e fazer uma eleição direta. O presidente não está mais em condições de administrar o país. A fraude eleitoral de 2014 retrata bem isso que estamos vivendo hoje”, comentou Dionísio Neto ao jornal Diário do Povo. 

Domingo terá uma nova manifestação

Entidades sociais e sindicais organizam novos movimentos populares contra o Governo Temer nos próximos dias.  No domingo, haverá uma manifestação na praça Pedro II. Os manifestantes alegam que o presidente Temer não tem mais condições de dirigir o país.

Foto/Gabriel Torres

De acordo com Zé Carvalho, militante do PCdoB, outras manifestações devem ocorrer nos próximos dias. A proposta é que o Piauí se alinhe às manifestações programadas nos demais estados. Zé Carvalho alega que Temer não possui mais condições políticas e morais para se manter no cargo. Ele defende eleições diretas.

“Ainda vamos sentar com os grupos para definirmos sobre o ato de domingo, que será um ato nacional. Hoje, ele está sendo feito pelo país todo, mas de maneira dispersa. Temos aqui a Frente Brasil Popular e a Frente Povo Sem Medo. Das centrais temos a CUT e a CTB. Dos sindicatos temos a Construção Civil, os Urbanitários, os SINDSERM, entre outros”, disse Zé Carvalho.

“A permanência do presidente Temer no cargo compromete a democracia, porque vai acentuar a radicalização. Não há unidade nem na base do Governo. O PSDB saiu da base de sustentação do governo. Vamos defender a eleição direta para que o povo escolha o novo presidente”, completou.

Para Lucas Sousa, presidente da Associação Municipal dos Estudantes Secundaristas de Teresina (AMES), o grupo vem desde o ano passado incentivando a realização de manifestações pedindo a saída do presidente. Ele diz que Temer governa somente para os bancários e empresários.

“Esse movimento a AMES vem fazendo desde o ano passado, quando surgiram os rumores de que o Temer iria assumir. A gente começou a ir para a rua e dizer que não aceitaria o golpe. Infelizmente aconteceu, mas continuamos defendendo a saída dele. Estamos aqui para falar sobre isso. Temos um governo que governa apenas para os ricos e bancários. Queremos a saída dele. O Fórum estadual está organizando um ato para domingo com todos os movimentos unidos. Dia 24 estaremos em Brasília fazendo uma caravana”, afirmou.

O superintendente de Articulação da Gestão Governamental, Pedro Calisto, também defende eleições diretas. Segundo ele, a linha sucessória do governo também possui a ficha suja e não tem condições de assumir o cargo.

“Diretas Já. O que está aí não tem mais como se sustentar. Fica uma instabilidade no país e os nomes que estão postos aí não têm capacidade para gerir. O presidente da Câmara responde a cinco processos. Hoje é um movimento dos grupos e o PT só se soma a eles, disse. 
 


Fonte: Diário do Povo