14/12/2017 - 15:36

Detentos aprovados no Enem não frequentam a universidade no Piauí

A decisão de iniciar ou não os estudos depende de um juiz

Autor: Claryanna Alves

Para um detento ingressar no ensino superior através do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) demanda bem mais que estudo e dedicação. Isso porque a decisão de que ele vai poder iniciar ou não os estudos depende de um juiz, que avaliará a situação em que o preso se encontra referente ao tipo e tempo de pena que ele deverá cumprir.

No Piauí, por exemplo, dos três aprovados em cursos superior em 2015, nenhum está estudando.

Em 2016, 18 pessoas do sistema prisional piauiense foram aprovadas para cursos superiores através do Enem para Pessoas Privadas de Liberdade (Enem PPL).

No entanto, segundo Jussyara Valente, professora e coordenadora de ensino da Secretaria de Justiça (Sejus), os que ainda cumprem pena não conseguiram ingressar à universidade.

No entanto, não há informações se, do total de aprovados, todos estão fora da universidade, pois alguns deles já deixaram o sistema prisional.

“A Secretaria de Educação e a Secretaria de Justiça são responsáveis por levar o ensino para essas pessoas. No caso do Enem PPL, fazemos as revisões, as inscrições no Sistema de Seleção Unificada, acompanhamos a seleção e realizamos até a matrícula, mas a última decisão fica por conta do juiz, de acordo com a situação de cada detento”, diz Jussyara.

Provas do PPL

As provas do PPL foram realizadas terça (12) e quarta-feira (13). No Piauí, o teste foi aplicado em 14 unidades prisionais, distribuídas nas cidades de Teresina, Parnaíba, Altos, Esperantina, Picos, Oeiras, Floriano, São Raimundo Nonato e Bom Jesus. No Estado, participaram dessa modalidade do Enem 313 candidatos, segundo informações da Secretaria de Justiça. Em todo país são mais de 31 mil candidatos.

Segundo Jussyara, nos dois dias de prova, o processo ocorreu tranquilamente dentro dos presídios. Ainda sobre a seleção dos candidatos, ela acrescenta que o nível de dificuldade da prova é que o do Exame realizado em novembro. “Além disso, os detentos não possuem cotas, eles participam da ampla concorrência, tanto que o resultado do Enem somente é divulgado após a realização do PPL”, explica a coordenadora de ensino.