09/01/2018 - 16:51

Tributo em homenagem a Elis Regina traz para Teresina o cantor Tunai

Há 25 anos, um grupo de amigos da capital realiza o Tributo Elis Vive

Autor: Mariana Viana

Há 25 anos, o produtor cultural João Vasconcelos, juntamente com um grupo de amigos, criou o projeto Tributo Elis Vive. Desde então, inúmeros talentos na música piauiense já participaram do show em homenagem a um dos maiores nomes da música popular brasileira, Elis Regina. Este ano, para comemorar as mais de duas décadas do tributo, o Elis Vive traz a Teresina o cantor Tunai, 68 anos.

A apresentação será realizada no Theatro 4 de Setembro, Centro, no dia 19 de janeiro, a partir das 18h30. A abertura do espetáculo musical ficará por conta da atração piauiense, Gislene Daniele, que já participou de diversas edições do evento, e do violonista Luciano Santos.  Após a apresentação da dupla, entra no palco o cantor mineiro Tunai.

“O projeto Elis Vive completa 25 anos consecutivos e para manter a tradição convidamos atrações locais para o tributo, mas também decidimos inovar trazendo Tunai, que também possui um trabalho de homenagem a Elis. Inclusive, quando Tunai montou esse show que será apresentado em Teresina, Eternamente Elis Regina, nós já havíamos produzido, através do tributo Elis Vive, uma apresentação com o mesmo em 1998. O dele é dos anos 2000”, explica João Vasconcelos.

Tunai e Elis

A amizade entre os dois cantores, Tunai e Elis, nasceu ainda na juventude. Ele chegou a estudar para ser engenheiro, mas deixou o canteiro de obras quando Elis Regina gravou três de suas principais composições. O impacto do surgimento de Elis na vida de Tunai foi tão grande que, a partir daquele momento, ele descobriu que queria viver de música. Atualmente, dentre as suas letras mais famosas estão Frisson e Certas Canções. Contundo, o músico faz shows por todo o Brasil com o “Eternamente Elis Regina”, quando toca as músicas mais famosas interpretadas pela cantora.

Irmão do também cantor e compositor João Bosco, aos 11 anos, Tunai chamou atenção em um festival da Escola Nossa Senhora das Dores, cantando bossa nova. Antes de ir para Ouro Preto-MG (1968) estudar no Escola Técnica Federal (Metalurgia) e depois na Escola de Minas (Engenharia), Tunai participou de mais dois festivais, um em Ouro Preto e outro em Ponte Nova, ganhando o 1º lugar com uma toada em parceria com Tim, seu conterrâneo poeta e as participações de Margareth, sua irmã caçula cantando, de João Bosco e seu quarteto de Ouro Preto (Paulinho, Zé Andrade e Nilberto, assim como o João, todos estudantes de Engenharia) e Tunai no baixo, instrumento que adotou quando tocava no "Mafra Filho e seu Conjunto" que animava as domingueiras dançantes no Pontenovense Futebol Clube, substituindo o então baixista titular, Jair, que trabalhava no Banco do Brasil e fora transferido da cidade.

Em 1977, João Bosco o apresentou ao letrista Sergio Natureza, com quem viria mais tarde a produzir boa parte de sua obra e seus maiores sucessos. Estreou em 1978, quando Fafá de Belém interpretou "Se eu disser", composição sua com Sergio Natureza. No ano seguinte, Elis Regina registrou, de sua autoria, "As aparências enganam", parceria com Sergio Natureza, no elepê Elis - essa mulher.

Detalhes do show no Theatro 4 de Setembro

“Na verdade, tudo que Elis gravou é muito bom e muito difícil de cantar e interpretar, por isso, a grande novidade deste ano é a oportunidade dada ao público poder ter contato com um artista como Tunai, com quem Elis, além de ser considerada madrinha do artista, gravou algumas canções”, comenta João Vasconcelos.

Outra diferença no tributo deste ano é diferença no modo de ingresso para assistir ao show. “Em 2017, o evento teve entrada gratuita, porque foi realizado através de uma parceria com o Música para Todos, onde os alunos do projeto foram os intérpretes das canções que ficaram famosas na voz de Elis”, completa Vasconcelos.

O valor do ingresso será de R$ 60 (inteira) e R$ 30 (meia). No site de compras coletivas Os Mosqueteiros será disponibilizada uma parcela dos ingressos até a véspera do show, todos com valor de meia entrada. João Vasconcelos ressalta que, apesar de acontecer às 18h30, o tributo não faz parte do Projeto Seis Meia.

Elis, A Pimentinha do Brasil

Elis Regina (1945-1982) fez a sua estreia na década de 60, no festival da Record com a música “Arrastão”, de Edu Lobo e Vinícius de Moraes. Recebeu o Prêmio Berimbau de Ouro e o Troféu Roquette Pinto. Foi eleita a melhor cantora do ano.

Entre 1965 e 1967, ao lado de Jair Rodrigues, apresentou o programa "O Fino da Bossa", na TV Record, em São Paulo. O programa gerou três discos. O primeiro "Dois na Bossa" vendeu um milhão de cópias. Em 1968, se apresentou duas vezes no Olympia de Paris.

Elis Regina tinha um gênio forte, recebeu o apelido de Pimentinha. Era uma artista eclética, interpretava canções de vários estilos, como MPB, jazz, rock, bossa nova e samba. Levou à fama, cantores importantes como Milton Nascimento, João Bosco e Ivan Lins. Fez dueto com Tom Jobim, Jair Rodrigues, entre outros.

Entre os seus álbuns estão: "Em Pleno Verão" (1970), "Elis e Tom" (1974), e "Saudade do Brasil" (1980). Entre suas músicas mais interpretadas estão: "O Bêbado e a Equilibrista", "Como Nossos Pais", "Madalena" e "Casa no Campo". Curiosamente, a sua voz foi colocada no patamar de instrumento musical na Ordem dos Músicos do Brasil, tamanha era a sua capacidade vocal.