04/10/2017 - 14:36

Plano global quer reduzir mortes por cólera no mundo em 90% até 2030

Segundo estimativas, o cólera mata cerca de 95 mil pessoas a cada ano em todo o mundo

Uma nova estratégia para reduzir as mortes globais por cólera em 90% até 2030 será lançada nesta quarta-feira (4) pela Força-Tarefa Global sobre Controle do Cólera (Gtfcc, na sigla em inglês). A rede inclui mais de 50 agências internacionais e da ONU, instituições acadêmicas e ONGs que atuam em países atingidos pela doença. A informação é da ONU News.

Segundo estimativas, o cólera mata cerca de 95 mil pessoas e afeta mais 2,9 milhões a cada ano em todo o mundo. Para a Organização Mundial da Saúde (OMS), uma ação urgente é necessária para proteger comunidades, evitar a transmissão e controlar surtos.

O novo plano global reconhece que a doença se espalha em locais endêmicos onde ocorrem anualmente "surtos previsíveis".

A epidemia no Iêmen já é considerada a crise mais grave de cólera do mundo (Foto: Unicef/Divulgação/Arquivo)

O diretor-geral da OMS, Tedros Ghebreyesus, declarou que a agência tem "orgulho" de fazer parte da nova iniciativa para acabar com as mortes por cólera. Segundo ele, a doença tem maior impacto entre as pessoas mais pobres e vulneráveis, o que é "inaceitável". Ele defendeu que este plano global é "a melhor forma disponível" para pôr um fim a este problema.

 

Mortes evitáveis

Segundo a OMS, o plano global busca "alinhar recursos, partilhar experiências e fortalecer parcerias entre países afetados, doadores e agências internacionais. Ghebreyesus destacou que todas as mortes por cólera são "evitáveis, usando as ferramentas disponíveis atualmente", como a vacina oral e melhor acesso à água limpa e serviços de saneamento e higiene como estabelece a iniciativa.

De acordo com a OMS, implementando o plano, até 20 países poderiam eliminar o cólera até 2030.
A agência ressaltou que avanços no fornecimento de serviços de água e higiene tornaram a Europa e a América do Norte livres da doença por décadas.

Embora esses serviços sejam reconhecidos como um direito humano básico pelas Nações Unidas, atualmente mais de 2 bilhões de pessoas no mundo não têm acesso seguro à água e estão em risco potencial de cólera. Sistemas de saúde fracos e dificuldade de detecção precoce também contribuem para a rápida propagação de surtos.

Conflitos

Segundo a OMS, a doença tem impacto desproporcional em comunidades atingidas por conflitos e guerras, seja pela falta de infraestrutura, seja pelos serviços de saúde fracos e pela desnutrição. O Iêmen, por exemplo, vive atualmente o pior surto de cólera do mundo. De acordo com a Agência da ONU para Migrações, desde outubro de 2016, 750 mil pessoas foram atingidas pelo cólera, com mais de 5 mil infectadas por dia. Mais de 2 mil pessoas já morreram.

A OMS ressaltou que proteger essas comunidades antes de surtos da doença é significativamente mais econômico do que responder continuamente a surtos.


Fonte: ONU News