10/07/2017 - 17:39

Deputados vão ouvir ministério sobre falta de médicos em hospitais do Rio

O Ministério da Saúde confirmou o agendamento da reunião

Deputados da comissão externa da Câmara que tem vistoriado hospitais federais do Rio há duas semanas vão se reunir com a Secretaria de Assistência e Saúde do Ministério da Saúde na quinta-feira, às 11h. A informação foi divulgada pelos deputados Jandira Feghali (PCdoB) e Chico D'Ângelo (PT), após uma reunião com a diretoria do Instituto Nacional de Cardiologia (INC), no início da tarde de hoje (10). O Ministério da Saúde confirmou o agendamento da reunião.

Os deputados vão questionar o ministério sobre relatos de falta de recursos humanos  ouvidos durante visitas às unidades federais na capital fluminense. Além dos dois deputados que vistoriaram hoje o INC, integram a comissão, os parlamentares fluminenses Celso Pansera (PMDB), Hugo Leal (PSB) e Rosangela Gomes (PRB).

Já foram vistoriados os hospitais Cardoso Fontes (em Jacarepaguá), de Ipanema, da Lagoa, do Andaraí e de Bonsucesso, e a comissão deve passar ainda pelo Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (Inca) e pelo Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia.

Segundo os deputados, contratos temporários não renovados de médicos e enfermeiros, além de outros na iminência de se encerrarem, ameaçam o funcionamento de setores dos hospitais. Hoje, a comissão visitou também o Hospital Federal da Lagoa.

Segundo a deputada Jandira Feghali, a reunião com o Ministério da Saúde tem como objetivo buscar informações oficiais sobre o que vem sendo relatado pelas diretorias dos hospitais: “Aí, vamos nos reunir para pensar as primeiras medidas que vamos tomar”.

O deputado Chico D'Ângelo destacou que os hospitais têm mão de obra altamente especializada e, por isso, de difícil substituição, em caso de encerramento dos contratos temporários: "Você não consegue uma enfermagem ou um profissional médico, ou um cirurgião cardíaco de imediato, com a experiência acumulada das pessoas que estão aqui. Substituir essa mão de obra muito qualificada não é fácil". 

O Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio de Janeiro (Cremerj) e o Conselho Regional de Enfermagem (Coren) acompanharam a vistoria e também apontaram a falta de recursos humanos como o principal problema dos hospitais. 

Em nota, o Ministério da Saúde informou que, até o mês de maio, 216 profissionais tiveram seu contrato encerrado e 203 novos contratados substituíram aqueles nos seus postos. O ministério disse ainda que o quantitativo de servidores de que dispõe permite “realizar integralmente os serviços prestados à população”, informando também que, de janeiro a maio, houve um aumento de 9% de consultas, 11% de atendimentos de emergência e 8% de cirurgias.


Fonte: Agência Brasil