Fonseca Neto
06/01/2017 - 08:51

“República Bananera” é uma forma debochada que a aristocracia colonizadora, notadamente dos EUAN, inventou para se referir ao conjunto de países latino-americanos, velhas colôniasque, como expressões de coletividades nacionais,ainda não quiseram se constituir em regimes políticos estáveis.

Essas “repúblicas” não se fizeram expressão política acatável pela comunidade internacional, infundindo a imprescindível respeitabilidade no chamado “concerto das nações”. E esclareça-se: quando se fala em “aristocracia colonizadora” também não se quer dizer que seja apenas aquela, de fora, mas, antes, aquela que atua dentro dos próprios países assim tidos.

No caso do Brasil –para essa aristocracia rapina um bananeiro gigantesco pela própria natureza –, a percepção de república bananeira acentuou-se gravemente com a anulação, por um golpe de Estado, do resultado da última eleição presidencial. Processo dirigido pela fração mais podre da referida “aristocracia”, rentista, anti-brasileira, e inteiramente deformada pela corrupção.

Na linha das “banânias repúblicas” mais escandalosas, a tomada violenta do poder recente no Brasil, nada em braçadas, fazendo arranjos no interior da estrutura apodrecida de poder. No lugar dessa estrutura onde não há distinção entre interesses privados e público-estatais. As mastodônticas corporações empresariais e as esferas de alto a baixo do Estado, igualmente em viço corporativoputrefato, têm as mãos e o destino, sujando-se mutuamente, lavando-se mutuamente, premiando-se mutuamente em atos de delação, esta pornoperversão ética, malandra.

Nesse sentido, as chamadas “delações premiadas” no Brasil encaixam-se, sem-vergonha e perfeitamente, no metier das costuras políticas mais infames, perfeitamente ajustadas na referida mutualidade de perdões trocados entre agentes e corporações esquecidos de qualquer compromisso histórico de decência na condução da vida social. O que não faltam são exemplos dessa mutualidade meliante: empresários de todo tamanho roubam, compartilham o fruto do roubo com agentes públicos, que, lógico, assim comprados, criminosamente, não os punirão. O resto é pantomima e engodo de um país inteiro.

Contudo, esse ordenamento social debilitado não tem na corrupção, em si, a expressão mais danosa a demolir projetos de grandeza nacional. E por quê?

O Brasil tem “a melhor gente para [com ela] se fazer um povo”: da lavra pensante seminal de Darcy Ribeiro, essa gente que está demorando tanto para fazer-se povo assim o demora, justa ou injustamente, porque não teve e parece não querer ter convicções democráticas; um corpo social excessivae racionalmente poroso aos ataques do golpismo de variada espécie; falto de cultivos de civilidade. Uma gente incrivelmente afeita ao “viver em colônias”, a amar “de longe” os modos do viver em “metrópoles”.

Em ambiente assim, nutre-se todo tipo de poder deformado, por isso a maior característica das banânias são seus regimes e governos débeis, suas ditaduras, a baixa estima cívica de suas populações, inebriadas pelo que seria a “democracia do primeiro mundo” ... E principalmente e razão maior de tudo: a dependência voluntária em todos os sentidos dos países que se impõem como Impérios.

O golpe que anulou o resultado das eleições de 2014, agravado pelos assombrosos episódios de 2016, sinaliza o maior ataque especulativo para reajustar o Brasil na sua condição de “república bananeira”, no mais feio modo que comporta no deboche dessa acepção. A desdita de contemplar a face e ouvir o palavrar do Impostor da República do Brasil, do “mineirinho”, da mineirinha-presidento, da vestal italiota,entre outros, é ter uma prova acabada do viver em banânia. Funcionário público, sem loteria, nunca vai enricar, mas na banânia é só conferir a “festa” das corporações dos “da lei” e dos parlamentos avançando sobre o Erário. Eras de danação.

Ideologicamente movido pelo ódio ao chamado “petismo”, mas antes e muito mais por histórica convicção de capataz e classe senhorial arraigada, o bando bananeiro-golpista executa sua tarefa: anula a Constituição, e elimina um punhado de direitos havidos por décadas de pelejas lutadoras da gente trabalhadora. E de ideias de nação soberana e cositas mas. Esse o alvo.

O povo é mesmo contra a corrupção? E porque aceita a gangue “da sangria” ficar onde está?  “República do Paraná”? O proscênio privilegiado da articulação do mútuo perdão premiado de nossas misérias políticas.  17 nasce escuro-emormaçado.

(Banânia: obrigado ao jornalista Davis S. Filho pelo mote).

03/01/2017 - 08:59

Uma história que não deve se deixar de contar neste velho mundo belo, bom e tinhoso. Diz respeito ao jovem José Galiza, um gênio da mecânica que viveu em Teresina e Timon, décadas atrás.

Era 1973 para 74. Do Exército, além de chefiar a Ditadura federal, os seus Batalhões de Engenharia estavam engajados em grandes projetos estradeiros, e, no Piauí, além do 2º, instalara-se recentemente o 3º BEC. A BR-316 estava entregue a eles, completando a ligação asfáltica, por Teresina, entre Salvador e Belém.

O tempo era o do chamado “milagre”, e o interventor do Piauí – governadores eram escolhidos pela Ditadura – também tocava vistosos projetos de engenharia... A empresa importadora brasileira de tratores e equipamentos afins, Citreq, sediada em Belém, e filial em Teresina, praticamente vivia em função de atender às demandas estradistas do Exército e de construtoras locais de menor porte. A sede, então, ficava na avenida Barão de Gurgueia, no bairro São Pedro.

A Citreq importava e revendia as máquinas Caterpillar, fabricante da motoniveladora, chamada vulgarmente de patrol (“patrólia”, no popular). Contudo, o rei da linha amarelo e preto, era, então, o mitológico e valente D8. A montadora brasileira, em Piracicaba, só produzia até o D4. Nos EUA, , foi então lançado “mundialmente”, com alarde, o D9, promovido como máquina tecnologicamente muito avançada entre as de sua geração, um trator-monstro, um “tatuzão” de superfície.

E onde entram os donos desta história, o Galiza, e este escriba?

Lançado o D9 nos EUA, logo o 3º BEC pede 6 unidades. Chegam no porto do Itaqui e são, a duras penas, em carretas possantes, transportados para a região de Picos. A fábrica e a Importadora fizeram o protocolo da “entrega técnica”, treinaram os tratoristas, e os D9 entraram em campo. E não foram longe: poucos dias depois, sem atingir as 100 horas do “teste” de operação, um deles apagou, tipo motor “batido”. E foi o que aconteceu: horas depois, um segundo também quebrou, de igual maneira, e logo um terceiro... A essa altura toda a Peoria, em Illinois – cidade-sede mundial da fábrica – já se mobilizara com a notícia e mais 3 ou quatro dias chegavam em Picos os engenheiros-fabricantes. Da matriz, em Belém, e da filial teresinense, seguiram seus próprios engenheiros, e com eles, o Galiza, jovem, semiletrado, e o mais festejado da equipe local de mecânicos.

Desmontada a grande máquina, com todo cuidado, e, qual numa UTI, feita a perícia inicial – tudo fotografado com a maior precisão –, logo se constatou, a pane fora causada pela rachadura do tampão, a qual tinha um peso de mais de mil e duzentos quilos. E dessa peritagem preliminar, veio a pergunta crucial: porque “quebrou” aquela e mais bem fundida peça de qualquer artefato auto motorizado? Muito se especulou: faltou lubrificante? Foi o clima tropical escaldante? Imperícia de recrutas “brabos” em direção de trator...? Nada disso; ficaram apenas cheios de hipóteses.

E o Galiza? Sem entender muito do que diziam “os gringos”, mas entendendo tudo que via, rindo simpaticamente, sempre, murmurou ele ao intérprete que desconfiava de algo; os engenheiros da Fábrica ouviram-no, não desdenharam do “negro velho aqui!” (ele dizia), mas

também não deram muito crédito. Votaram para lá, e seus laboratórios etc. Os três tampões, de igual forma trincados, foram removidos e embarcados [os embarquei] de volta para os EUA, para os exames laboratoriais próprios. A fábrica determinou que os demais tratores parassem de operar, até sobrevirem as respostas cabais.

Que vieram, meses depois. E quais? Na forma de um convite especial ao Galiza, que tinha razão em seu “diagnóstico”, ainda em Picos, sobre a causa da danificação dos tampões. Convite, com tudo pago, uma homenagem, para ele gozar uma temporada na cidade de Peoria, a conhecer o coração da Caterpillar Inc. “Eu vou é nada...”, espalhou entre os colegas na oficina da Citreq.

O mais acertado que se pode dizer dele é que era um menino levado, espírito brincalhão ao extremo, aliás, fazia do trabalho rotineiro uma atitude de graça e amizade. Um acidente, de carro, o subtraiu num dia desses. Teve, mas não criou os filhos. Timon e todos choramos um anjo fluindo aos céus.

29/12/2016 - 11:47

O Colégio Diocesano fez neste dezembro, dia 3, uma solene festa para encerrar as celebrações alusivas aos 110 anos de sua fundação. Seus corpos diretivo-funcional e docente, além de muitas pessoas, extra muros, que se fizeram gradas na história recente da Escola e que assim foram convidadas a juntos comemorar. Entre estes, fizeram-se presentes o governador do Estado e o prefeito de Teresina, este um ex-estudante jesuíta, que usou da palavra para manifestar seu sentimento de reverência à centenária instituição escolar.

Irmão gêmeo do Seminário católico do Piauí, o Colégio Diocesano, e seu irmão, foram litúrgica e solenemente instalados pelo bispo, no dia 25 de março de 1906, com missa cantada, a partir das seis e meia da manhã. Data também em que as atividades tiveram início, com o juramento e posse do primeiro quadro diretivo e corpo docente. Porém, estudantes de um, e do outro, eram privados do contato intraescolar.

Como primeiro reitor, de ambos, foi empossado o padre Bianor Emílio Aranha, vice e ecônomo, padre Francisco Ernesto de Vasconcelos, diretor espiritual, padre Clarindo Lopes Ribeiro. Entre os primeiros professores, então chamados de “lentes”, e discentes e seminaristas, estiveram presentes nesse ato de sagração escolar: o secretário do bispado, padre Alfredo Pegado de Castro; cônegos Joaquim de Oliveira Lopes e Fernando Lopes e Silva; padre Moisés dos Santos; subdiáconos Felipe de Oliveira Lopes e Aristeu do Rego Barros; os menoristas Jeferson Urbano Rodrigues da Rocha, Amancio Ramalho Cavalcanti, Elesbão Gurgel de Oliveira, Manoel Rodrigues de Almeida Barreto, José Joaquim de Oliveira Barbalho; os seminaristas teólogos Afonso Lopes Ribeiro e Antonio Bezerra de Menêses; o tonsurado Marcos Francisco de Carvalho; os seminaristas filósofos Francisco de Sales Soares, Lindolfo Uchoa, Manoel Otaviano de Moura Lima, Celso Cico, Arão de Andrade, Francisco Aureliano da Silva, Henrique Catanhêde de Vilhena, João Clementino Melo Lula, Francisco Augusto Teixeira; José Lopes Correia Lima; preparatorianos e leigos.

Seminário e Colégio funcionaram com regularidade nos nove anos seguintes, incorporando estudantes e professores, tendo as atividades suspensas no início do ano letivo de 1915, alegando o novo bispo do Piauí, dom Octaviano de Albuquerque, a míngua de meios para a devida manutenção deles. No ano letivo de 1914, o seminário contou com 20 estudantes e o Colégio com 100. Foram reorganizados esses estabelecimentos já no governo episcopal de dom Severino de Melo. O local que fora a Residência Episcopal do primeiro bispo – a “Quinta Soledade” –, foi entregue ao Colégio, localização que tem até hoje. Ainda é d. Joaquim que amplia a capela, na esquina em que se encontra, alterada pelo diretor Alberto Freitas, e d. Octaviano, ergueu parte da fachada respectiva. “Quinta” que foi uma doação do padre-fazendeiro Raimundo Gil da Silva Britto ao bispado nascente.

O propósito da criação do Diocesano consistia em assegurar a oferta de Educação de qualidade, particular, de orientação católica, destinada a crianças e jovens do sexo masculino; admitia turmas de estudantes “pobres”. Com idêntico intuito, ressalte-se, o Antístite teve a iniciativa de fundar uma escola para meninas, o antigo, e ainda hoje, Colégio das Irmãs Catarinas. Não tardaria, e, ainda em 1906, dom Joaquim tomaria um “vapor” para Parnaíba e nessa cidade do norte piauiense, também fundou e instalou duas escolas.

Essa disseminação de escolas católicas acontece num ambiente de bastante afetação no debate social sobre escolas públicas vs. escolas confessionais, estando no centro de lutas intensas entre, p. ex., setores político-partidários ligados à maçonaria e, idem, agentes do clero.

Nos anos e décadas seguintes, o Diocesano somente cresceu e se consolidou, ofertando cursos no ensino básico e num escopo mais variado. Em 1960, no arcebispado de dom Avelar Brandão Vilela, a escola foi assumida pelos Jesuítas. Conheceu impulsos novos, e, sob todos os aspectos, tornou-se a importante instituição educacional de hoje, não somente porque é secularmente notável.

(De minha parte, fiquei particularmente lisonjeado com o recebimento, nestes 110 anos, da Medalha do Mérito Inaciano, do que agradeço à escola, nas pessoas dos digníssimos Irmão Raimundo Nonato Oliveira Barros e das professoras Margareth Santos e Patrícia Prado). 

27/12/2016 - 08:34

Uma das cenas mais espantosas das recentes impatriotadas foi a aparente calma dos membros do Supremo Tribunal Federal, perante câmeras de TV, retorcendo ridiculamente o fraseado para “justificar” a permanência de Renan no comando do Congresso Nacional.

O STF tentando dizer ao país, pateticamente, ser legítimo que assumisse, como assumiu, a posição partidária – explícita impostura – da presidência da República. E que decidindo assim, estava garantindo a “estabilidade” política e a votação da chamada PEC 55.

Eis uma preocupação maior quanto ao que estamos vendo neste momento da vida nacional, espantoso sob vários aspectos: o que será dos jovens crescendo sem as referências de que, no presente tempo civilizatório, as leis são um meio de equilibrar/equalizar a vida social?

De 1961 a 1988 o Brasil não teve Constituição, mas um arremedo, emendado e remendado, tudo para sustentar os sucessivos golpes da época, golpe gerando golpe: 61, do “parlamentarismo”; 64, o golpe-pai; 67, a “constituição” da “redentora”; 68, o AI-5; 69, a Emenda nº 1, da Junta dos “três patetas”; 77, o “pacote de abril”.

E o Supremo e o Poder Judiciário inteiro em face desses golpes? Foi parte deles, não apenas respaldou a todos. Lá pelas tantas, três ministros da época de Jango foram congelados, depois a vida seguiu. Daí que a geração de brasileiros idealistas de então, colocou em sua pauta uma espécie de redemocratização, imbuída na aplicação de leis legítimas.

Em síntese, a ideação do Estado de Direito, que a CF/88 expressou, como pacto político alcançável, em que pese filha de um labor constituinte historicamente derivado. Passaram-se três décadas, e antes de vigorarem o que tinha de mais fundamental, foi ela gradativamente esgarçada e já agora não passa de uma violentada colcha de retalhos.

Os sonhadores do Estado de Direito colocaram nela comandos de inspiração e extração avançadas, que uma geração de agentes judiciários – encabeçados pelo próprio STF – está lesando de forma cruel, jogando no caldo da violência social não poucas expectativas de maior justiça, decência, igualdade, e, claro, previsibilidade jurídica.

O que se considerava um avanço em termos de garantias constitucionais, p. ex., a prevalência da soberania popular na escolha de agentes políticos – apanágio da modernidade iluminista –, foi assustadoramente revogada por essa dezena de juízes e juízas “destemidos/as”. Destemor, despudorado, que macula o presente e o futuro.

Vem se chamando “ativismo político-judiciário” a atuação do STF, enquanto despojando-se de sua desejável condição de espécie de “poder moderador”, máximo sinal de equilíbrio. O chefe do senado, feito réu, tripudia a “Corte” suprema, e esta se acovarda, produzindo juízos toscos, e deixando um povo, ainda que incauto, tal “náufrago” de certa desilusão.

As prerrogativas de agentes judiciários, em todos os níveis, foi um apanágio e ponto central dos lutadores de ontem, nos marcos acima lembrados. Traíram esses agentes o povo brasileiro. Cheias de prerrogativas, tais agentes se lambuzam numa intracorporidade sem peias, e a dinâmica do presente evidencia que deram as costas à coletividade. Repugnável “auxílio”.

Dizem, em galhofa, que o Brasil não é “para iniciantes”. Tolice. A maioria sabe o que seria acerto e erro na hora de fazer as escolhas que podem afetar a todos. O golpe nas instituições que o STF sustenta, neste momento, e por séculos, é puro cálculo para manter a essência do poder despótico toscamente apropriado por uma dominação oligárquica impiedosa.

Chega-se a dizer que o Brasil anda muito “judicializado”, inclusive a “política”. Seja lá o que seja essa judicialização, a percepção de valor da lei, talvez, em momento algum, tenha sido tão debochado por agentes “dela”, e por todos. Assim é que vale lembrar que a corrupção, no relativo “silêncio” estável da corporação judiciária, e afins, nutre-se muito bem.

A chamada “crise” marcada pelo golpe que anulou as eleições de 2014, ainda se prolongará – é possível especular –, não se sabe até quando. O chefe do senado, acobertado pelo sistema togado, canta vitória. Aliás, o faz, em galhofa, sabendo que a suprema galhofagem é também indefensável e até mais gravosa. Peitou o STF, em dobradinha com gente do próprio.

Ladrões delatores dizem há uma quadrilha na cabeça da República. Parece não haver repúblicos em B.

Fonseca Neto

Fonseca Neto é advogado, historiador, escritor e professor. Membro da Academia Piauiense de Letras. Estudioso do tempo, Fonseca escreve sobre fatos históricos enquanto memória e realidade. Seus artigos formam um breviário do cotidiano piauiense e brasileiro, levando o leitor a uma verdadeira viagem no tempo.