Editorial
18/04/2016 - 18:07

O Brasil viveu um dia histórico nesse domingo(17): a votação para decidir a admissibilidade do processo de impeachment da presidente Dilma. O próprio impeachment, para os menos entendidos. Mas não, a votação foi apenas o primeiro round da queda de braço entre governistas e não governistas.

A votação no Senado será o próximo passo nesse processo, que já dura cerca de um ano. A votação de ontem revelou o outro lado da política: o lado sóbrio da trairagem, da "crocodilagem". Foi um momento histórico, é bem verdade, mas também hilário, cômico e trágico.

Declarações de amor, felicitações por aniversário de filho de parlamentar, anúncio de nascimento de familiar e tantas outras manifestações, totamente descabidas e inoportunas.

O governo perdeu esse primeiro embate, e busca força para se reerguer e enfrentar o que está por vir. Entre os vencidos paira um silêncio assustador. É preciso muita calma nessa hora.Como bem opinou um experiente jornalista político agora não é mais momento de negociação, mas de convencimento.

O país acordou dividido entre vencidos e vencedores que apostam na próxima vitória: o tiro de misericórdia na primeira mulher a presidir a República brasileira.o cenário é confuso, ainda não é seguro fazer previsões, mas quem viver, verá.