Editorial
18/10/2016 - 06:00
Violência Violência

Cerca de 12 milhões de pessoas estão desempregadas no Brasil. O cenário é trágico para quem precisa sustentar um lar e sobreviver dignamente. Ciro Gomes, ex-governador do Ceará e com a propriedade de quem foi também Ministro da Fazenda, alertou num debate promovido pela Revista Piauí que até o final do ano, 15 milhões estarão desempregados no país. O número supera a população da maior cidade brasileira: São Paulo. Não é difícil imaginar as consequencias disso, mas talvez a maior delas seja o aumento da violência.

E para completar o cenário, as duas fações criminosas, PCC e Comando Vermelho que comandam presídios, o tráfego de drogas e a criminalidade nas maiores cidades brasileiros anunciaram o fim de uma trégua que já durava 20 anos. As previsões são de mais violência.

Num cenário onde os estados estão, em sua maioria falidos, como é o caso do Rio de Janeiro onde, após 10 anos à frente da Secretaria de Segurança, Beltrame, o criador das Unidades de Polícias Pacificadoras, pediou demissão do cargo em razão da incapacidade daquele governo de pagar os salários dos policiais.

O Piauí vive uma onda de assaltos a caixas eletrônicos e a bancos. O aumento da criminalidade é sentido diariamente pela população e não é mais privilégio das maiores cidades piauienses, o interior já sofre com a violência. 

O que podemos esperar dos próximos dias no Brasil é o aumento da pressão popular em todos os setores. Economia frágil, ambiente político hostil, insegurança, desemprego. Parece que acordamos de um sonho e adormecemos num pesadelo.

É hora do nosso país acordar novamente.